Dicas essenciais para você organizar as suas finanças pessoais

0
230

Finanças pessoais se resume a isso: objetivos, prazos, metas e, baseada nisso, a escolha dos investimentos que o ajudarão a alcançá-los. Nunca se esqueça que, ao longo do tempo, correções e mudanças terão de ser feitas, uma vez que a economia está em constante movimento.

Para ser claro e bem específico, e não deixar você muito confuso, Finanças Pessoais  pode ser entendido como o nome que se dá a tudo o que se relaciona ao âmbito financeiro de uma pessoa física, aplicando os mesmos conceitos financeiros usados em uma empresa ou em qualquer outro aspecto da sociedade como Governo e Estado.


Isso basicamente quer dizer que em suas finanças pessoais, você vai ouvir falar de orçamento, planejamento e fluxo de caixa, entre outras coisas que fazem parte desse importante ponto de sua vida chamado “Finanças Pessoais”.

E neste texto vamos tratar de temas ligados às suas finanças pessoais, de forma que conheça os segredos que diferenciam os milionários da grande maioria das pessoas quando o assunto é finanças pessoais.

Você não entende porque “as contas nunca fecham”? Nunca “sobra” dinheiro para investir? Você está sempre no vermelho? Seu patrimônio parece que nunca sai do lugar?


Agora chegou a hora de você entender exatamente como suas finanças pessoais são fundamentais para tudo isso.

Veja também:

Receba nossas novidades

Seu cartão está quase pronto
Deixe seu e-mail para receber dicas e novidades sobre Cartões , Crédito e Financiamentos 95%

Empréstimo para investir em um negócio próprio 

Como ter um cartão de crédito com score baixo

Agora que você leu as duas indicações acima, nós iremos terminar este artigo complementar dizendo o seguinte para você:


Você pode basicamente começar criando o hábito saudável de olhar para seu extrato com frequência, identificando exatamente quanto entra e quanto sai, para chegar no ponto crucial das finanças pessoais: gastar menos do que você ganha.

É muito simples, não é verdade? Mas muita gente não consegue. Pior ainda; o desconhecimento das finanças pessoais é tão grande que, acredite, existe quem pense que gasta menos, quando na verdade gasta mais.

Como isso é possível? Mecanismos de crédito, com parcelamentos supostamente sem juros, que “criam sensação de poder de compra”, sem que de fato haja.

E como a dívida é constantemente “rolada”, cria-se a falsa sensação de adimplência, afinal, a conta está no azul.

No entanto meus amigo, o acúmulo de parcelas e juros, em algum momento, trará a realidade à tona, de modo que será muito difícil reverter a situação. E toda essa problemática converge, novamente, para um mesmo ponto: falta de conhecimento e de interesse por finanças pessoais.

A partir do momento em que se adquire o conhecimento básico, de modo que suas finanças pessoais sejam parte integrante de sua rotina, fica muito mais simples a tarefa de gastar menos do que se ganha e, por consequência, investir essa diferença.

Gostou? Compartilhe com seus amigos!